Memorável: UP – Altas Aventuras

Carl Fredricksen e Russell: química maravilhosa.

Carl Fredricksen, um vendedor de balões aposentado, é parte rabugento, parte sonhador e está preparado para sua última chance de diversão nas alturas. Amarrando milhares de balões à sua casa, Carl parte em direção ao mundo perdido dos seus sonhos de infância. Sem seu conhecimento, Russell, um ansioso explorador da natureza de oito anos, que nunca se aventurou além do seu quintal, está no lugar errado e na hora errada: na varanda da casa de Carl. A dupla alcança outros horizontes e conhece amigos fantásticos como Dug, um cachorro com uma coleira especial que lhe permite falar, e Kevin, um raro pássaro de 3,5 metros . Preso na floresta, Carl percebe que de vez em quando as maiores aventuras da vida não são aquelas que você sai procurando.

Aventura: Carl voando em sua casa.

A Pixar é responsável por grandes obras-primas no cinema atual. Deu vida a brinquedos na bem sucedida trilogia Toy Story, contou uma ótima história entre pai e filho em Procurando Nemo, contou uma linda história de amor entre dois robôs em Wall – E, e em um de seus filmes mais arriscados (afinal, muita gente torceu o nariz quando viu que os protagonistas de UP seria um idoso e uma criança), entrega UP – Altas Aventuras, um filme primoroso.

Ellie e Carl: Amor e sonhos.

O filme já cativa no início. Ver Carl Fredricksen encontrando o amor de sua vida Ellie logo quando os dois são crianças, é muito bonito. Logo em seguida, vem uma sequência de cenas mostrando desde o casamento deles até a velhice e toda essa cena tem ao fundo a trilha fantástica de Michael Giacchino. É impossível não se emocionar com esta cena. Lembro de quando vi no cinema, e fui surpreendido por esta cena e chorei logo de cara. É uma das cenas mais fantásticas que vi no cinema. Essa cena mostra os sonhos que temos e que devido as circunstânceas da vida não conseguimos realizar. É um retrato fiel da vida.

Para deixar o amor de Carl e Ellie mais bonito ainda, ele é mostrado nas pequenas coisas. Quem não ficou com o coração apertado, quando um veículo quebra a caixa de correio dele? Nela tem o nome do casal, e a marca das mãos dos dois. É perceptível que Carl tenta se agarrar em tudo que lembra Ellie, e com isso um simples objeto como uma caixa de correio, vira algo tão simbólico para os dois.

Russell: por trás de tanta animação, existe um garoto querendo o carinho do pai.

Na metade do filme, temos uma pequena pausa na devoção de amor entre homem e mulher, para citar o relacionamento entre pai e filho. A bela cena em que o garoto Russell conversa com Carl e fala que não vê muito o seu pai, é de um realismo fantástico. Acredito que muitas pessoas se identificaram, pois no corre-corre hoje que é o mundo, isso acontece com muitas pessoas. O desabafo de Russell mostra como é rico o roteiro deste filme.

O filme tem muitas cenas fantásticas, e uma das mais emblemáticas fica quase no final. Ellie tinha um livro, e dentro dele, em uma das páginas tinha escrito “Coisas que vou fazer“. Essa inscrição era para as aventuras que ela viveria, mas devido as coisas da vida ela nunca viveu essas aventuras, sendo a mais cobiçada por ela, viajar para o Paraíso das Cachoeiras. Enfim, depois que Carl levou a casa até o Paraíso das Cachoeiras, ele vai mecher em algumas coisas da casa, e acha esse livro. Ele senta, e começa a folhear… quando ele acha a inscrição “Coisas que vou fazer“, a melancolia toma conta dele. Mas ele percebe que depois desta página tem uma foto, e quando ele vira para a sua surpresa, tem uma foto do seu casamento… e enquanto ele folheia, tem várias fotos da vida de casado com Ellie. Ela preencheu sem ele saber… a aventura deles, foi o casamento, foi o amor de um pelo outro… e ao final ela escreveu a seguinte frase: “Obrigada pela aventura. Agora parta para a próxima!“. Essa cena, as fotos, e os momentos, remetem novamente como as pequenas coisas são marcantes.

Kevin e Dug: no começo atrapalham Carl, mas no final ganham o seu coração.

No fim do filme, depois de toda a busca para salvar o pássaro Kevin, a casa de Carl acaba caindo… e como se fosse uma poesia, ela cai e fica no Paraíso das Cachoeiras… como era o sonho de infância de Ellie. O filme termina como foi durante toda a exibição: “Poético”.

Nunca é tarde para realizar um sonho: Paraíso das Cachoeiras.

Chico Anysio dublando Carl.

Pete Docter teve uma direção inspirada, e com isso conseguiu fazer uma sequência de cenas memoráveis. O roteiro de Bob Peterson é perfeito, ele que é o mesmo roteirista de Procurando Nemo. Pete Docter também participou do roteiro. A trilha sonora de Michael Giacchino é linda, e perfeita em todos os aspectos. A fotografia do filme é demais, misturando várias cores, a Pixar conseguiu deixar o filme bem chamativo devido as cores. E além disso tudo, a versão brasileira ainda trás a ótima dublagem de Chico Anysio como Carl.

Um filme para ser visto em qualquer período da vida. É daqueles que servem para nos animar, que mostra como é bom aproveitar a vida ao lado de pessoas boas. Um filme para ficar com o espírito renovado.

UP – Altas Aventuras concorreu a 5 Oscar’s, e ganhou 2 estatuetas.

UP – Altas Aventuras, 2 Oscar’s: Melhor Animação e Melhor Trilha Sonora (Michael Giacchino).

Nota: 10,00

UP, 2009. Direção: Pete Docter. Com as vozes originais de: Donald Fullilove, Jordan Nagai, Paul Eiding, Edward Asner, Christopher Plummer, John Ratzenberger, Bob Peterson, Delroy Lindo, Jerome Ranft. 96 Min. Animação.

Este post é dedicado a minha grande amiga Rosana Santos, que é uma grande fã deste filme.

Evilmar S. de Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s