R.I.P.: Alan Rickman

Morre Alan Rickman, interprete do Professor Snape na Saga Harry Potter

alan rickman

Ergão suas varinhas e lancem o lumus maxima. Horgwarts está de luto. Faleceu nesta quinta-feira (14/01) o nobre ator britânico Alan Rickman, que lutava contra um câncer.

Teatro, TV ou Cinema, seja qual fosse a mídia ele sempre era elogiado em suas atuações. Alan foi vencedor do Globo de Ouro em 1997, pelo papel de Grigori Rasputin, no filme Rasputin. Ele também foi ganhador do Bafta em 1992, pelo papel do Sheriff George em Robin Hood: O Príncipe dos Ladrões. Apesar das premiações, o personagem pelo qual ficará marcado será o do Professor Snape, na Saga Harry Potter. Também foi visto atrás das câmeras, dirigindo Momento de Afeto em 1997 e Um Pouco de Caos em 2014.

O trio de protagonistas da Saga Harry Potter, se pronunciaram sobre a morte do amigo. Daniel Radcliffe citou a lealdade. “Um dos maiores atores. Ele é também uma das pessoas mais leal que eu já conheci na indústria cinematográfica“. Rupert Grint lamentou a morte. “Estou devastado ao ouvir sobre a morte de Alan Rickman. Meus pensamentos estão com sua família e amigos nesse momento“. Emma Watson ressaltou a tristeza da morte. “Eu estou triste em saber sobre a morte de Alan hoje. Eu me sinto sortuda de ter trabalhado e passado um tempo com um ator e homem tão especial. Vou sentir muita falta de nossas conversas. RIP Alan. Nós te amamos“.

O ator deixa dois trabalhos inéditos que vão estrear no cinema. Escutaremos sua voz em um dos personagens computadorizados de Alice Através do Espelho e sua atuação em Eye in the Sky, ao lado de Helen Mirren.

Alan também pode ser visto em filmes como Duro de Matar, Razão e Sensibilidade, Simplesmente Amor, Quase Deuses, O Guia do Mochileiro das Galáxias, Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet, entre outros.

Alan deixa a esposa Rima Horton, com quem se casou ano passado, após 50 anos de convivência.

#RIPAlanRickman

ass_evilmar

Anúncios

Especial: Dia Internacional do Beijo #4

Relembrar as cenas mais marcantes do cinema sempre é muito bom. E o beijo representado nas telas, é uma das coisas mais marcantes em um filme. Nesse Dia Internacional do Beijo, relembramos mais dez filmes e seus momentos inesquecíveis.

Amanhecer: Parte 2*

Robert Pattinson e Kirsten Stewart

Robert Pattinson e Kristen Stewart

E para muitos esse foi o momento do fim, mas para quem acompanhou arduamente a saga, isso foi apenas o começo de uma história que continuará nas nossas memórias, nossa imaginação… O amor impossível e incontrolável de Edward Cullen e Isabella Swan, ficará eternizado na memória de quem é fã…
(Descrição feita por Cinthya Paixão, amante do cinema e da saga Crepúsculo)

Antes do Amanhecer

Julie Delpy e Ethan Hawke

Julie Delpy e Ethan Hawke

Um rapaz decidido, fisgado por uma bela dama a primeira vista. É assim que Jesse se sente ao decidir flertar com Celine, e assim se inicia uma das maiores histórias de amor do cinema.

Casablanca

Humphrey Bogart e Ingrid Bergman

Humphrey Bogart e Ingrid Bergman

Um amor impossível, mas com todas as pitadas de romance que o cinema oferece. É assim que o casal Rick e Ilsa são movidos por todo o filme Casablanca, um grande clássico do cinema.

Enrolados

Flynn Rider e Rapunzel

Flynn Rider e Rapunzel

Depois de toda uma aventura, com pitadas de drama e comédia, a lágrima de Rapunzel salva o seu grande amor Flynn Rider de um destino cruel, e assim eles vivem felizes para sempre.

Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças

Kate Winslet e Jim Carrey

Kate Winslet e Jim Carrey

Um sujeito solitário, tímido… até que encontra uma garota que corresponde a todas as suas expectativas. Mas um belo dia, ela passa por um tratamento para esquecê-lo. Desesperado ele faz o mesmo. Brilho Eterno é uma das histórias de amor mais revolucionárias e incríveis que o cinema já produziu.

Namorados Para Sempre

Ryan Gosling e Michelle Williams

Ryan Gosling e Michelle Williams

O título do filme em português engana. Namorados Para Sempre mergulha a fundo em relação que vai desde os primeiros flertes do casal, passando pelo melhor momento dos dois, até chegar no momento em que eles já não suportam viver um com o outro. Um filme dramático, mas verdadeiro. Mas a lembrança do amor de Dean e Cindy nos melhores momentos do relacionamento ficam marcados na nossa memória.

Um Dia

Jim Sturgess e Anne Hathaway

Jim Sturgess e Anne Hathaway

Dizem que os melhores relacionamentos nasce da amizade. O casal Emma e Dexter demoraram, mas finalmente conseguiram viver um grande, porém curto, amor…

Romeu + Julieta

Claire Danes e Leonardo DiCaprio

Claire Danes e Leonardo DiCaprio

O diretor Baz Luhrmann retrata de maneira inovadora uma das mais conhecidas histórias de Shakespeare, sem deixar de lado a paixão, e o amor impossível de Romeu e Julieta.

Harry Potter e a Ordem da Fênix

Daniel Radcliffe e Katie Leung

Daniel Radcliffe e Katie Leung

Harry Potter sempre enfrentou grandes batalhas desde criança. E quando a adolescência chegou, os fãs da saga aguardavam ansiosos pelo primeiro beijo do herói. E a linda Cho foi a grande escolhida.

O Lado Bom da Vida

Bradley Cooper e Jennifer Lawrence

Bradley Cooper e Jennifer Lawrence

Dois desajustados. Uma viúva, o outro largado pela mulher e com isso ficou meio pirado. São esses caminhos da vida que fazem Pat e Tiffany se cruzarem, e assim vivem uma diferente, inusitada e louca história de amor.

Então é isso… ano que vem voltamos para relembrar mais dez momentos marcantes nos cinemas…

*Agradeço a minha grande amiga Cinthya Paixão que colaborou neste post, com a descrição de um dos seus filmes preferidos: Amanhecer: Parte 2.

Encerro este post, com uma frase do filme Diana“Em algum lugar entre o certo e o errado, existe um jardim. Encontrarei você lá.

Assuntos Relacionados:

Especial: Dia Internacional do Beijo #1
Especial: Dia Internacional do Beijo #2
Especial: Dia Internacional do Beijo #3

ass_evilmar

Cinema: A Mulher de Preto

Vingança, Mistério e Sustos…

Depois de bruxos, agora Daniel Radcliffe vai atrás de espíritos.

Em A Mulher de Preto, o jovem advogado Arthur Kipps é forçado a deixar seu filho de três anos e viajar para a pequena vila de Crythin Gifford para tratar dos assuntos do recentemente falecido dono da Casa Eel Marsh. Mas quando ele chega à arrepiante mansão, descobre segredos obscuros no passado da cidade. Sua sensação de mal-estar aumenta quando ele vislumbra uma misteriosa mulher toda vestida de preto.

A Mulher de Preto era um dos filmes que eu mais estava ancioso em assistir neste começo da temporada 2012. Por vários fatores: premissa bem interessante, cartazes misteriosos, e a primeira atuação de Daniel Radcliffe depois de concluída a saga Harry Potter. Pena que o filme que teve um início tão bom, acabou por se tornar um filme mediano.

A direção do filme ficou nas mãos de James Watkins. Watkins conduz muito bem a primeira parte do filme, mas do meio para fim ele aparenta não saber o que fazer com a história. Na primeira metade, o filme lembra muito os suspenses de décadas passadas, e o fantasma da mulher de preto sempre a espreita observando, ajuda e muito a criar esse clima. Mas, Watkins resolve exagerar, e do meio para o fim ele acrescenta vários fantasmas de crianças, que ao meu ver, não acrescentam em nada na trama, e só atrapalha o clima de suspense que antes ele tinha criado. No filme é citado que a mulher de preto matou essas crianças, mas que ficasse só na citação, não precisava acrescentar essas crianças como fantasmas. O diretor também se mostra fraco para dirigir atores. Em determinada cena, Daniel Radcliffe está fora da mansão assombrada, e olha para cima e vê dois rostos na janela. Ele entra na casa, e começa a andar como se nada tivesse acontecido. Qualquer ser humano normal, que vivesse uma coisa dessas, ficaria morto de medo, e tentaria fazer algo de maneira louca, para descobrir o que é. O erro não é de Radcliffe, e sim da fraca direção.

Mas nem tudo está perdido. Watkins erra muito, mas também acerta em determinados momentos. As primeiras cenas da mulher de preto, são pra você se espremer na cadeira. E em uma outra cena, de um fantasma de uma criança se levantando enquanto chove, também é muito boa. Pena que o diretor ficou alternando entre altos e baixos e o resultado final é um filme mediano. Até o final do filme, parece que foi feito as pressas, quando você vê já acabou… enfim. Isso só prova o quanto é importante um diretor. Já imaginaram M. Night Shyamalan dirigindo um filme desses? Seria no mínimo ótimo. Shyamalan sabe como ninguém criar esse tipo de mistério, sem se perder com a história e com certeza daria um final surpreendente a trama.

Quanto a atuação de Daniel Radcliffe, está razoável. Nada de espetacular, mas aos poucos ele vai se desprendendo de Harry Potter e vai evoluindo como ator. Como não é um ator consagrado como um Tom Hanks, por exemplo, não dá palpites enquanto o diretor vai fazendo as cenas, por isso Watkins realmente deixou a desejar em algumas cenas.

Em meio a isso tudo, o filme tem uma ótima direção de arte que conseguiu recriar perfeitamente uma época passada. O filme adota a tonalidade escura, como os suspenses de antigamente, e isso também é muito bom. Figurino, fotografia e trilha também são ótimos.

Mesmo com erros A Mulher de Preto ainda causa sustos, mas passa longe de clássicos como O Exorcista, O Iluminado, A Bruxa de Blair… e o filme ainda trás Daniel Radcliffe para matar a saudade dos fãs de Harry Potter.

Nota: 7,0

The Woman in Black, 2012. Direção: James Watkins. Com: Daniel Radcliffe, Janet McTeer, Ciarán Hinds, David Burke, Shaun Dooley, Alisa Khazanova, Sidney Johnston, Mary Stockley, Alexia Osborne. 97 Min. Suspense.

Evilmar S. de Almeida

Cinema: Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2

Magia, Sofrimento e Amor…

Hora de decidir quem fica vivo: Harry enfrenta Voldemort.

Nesta segunda parte do final épico da série, a batalha entre o bem e o mal no mundo da magia se torna uma guerra entre centenas de bruxos. Os riscos nunca estiveram tão altos e nenhum lugar é seguro. Assim, Harry Potter precisa se apresentar para fazer o seu último sacrifício, enquanto o confronto final com Voldemort se aproxima. Tudo termina aqui.

Um final extraordinário! É isso que pode resumir o final da saga Harry Potter. Mais uma vez temos o diretor David Yates no comando, e ele leva a sensação de adrenalina a mil neste último filme da franquia. E como não podia deixar de ser, as atuações são o destaque nessa aventura final. Daniel Radcliffe entrega um Harry convicto do que o futuro lhe espera. Mesmo descobrindo no meio do filme o que acontecerá com ele, Harry não desiste e segue em frente na sua missão. Emma Watson continua muito bem como o centro dramático dos personagens principais, e sua Hermione está mais perfeita do que nunca. Rupert Grint e o seu Rony, continua com o lado um pouco cômico, mas devido as circunstâncias, Rupert também tem seus momentos dramáticos. A química dos três juntos chega a perfeição neste final. Agora não há como negar, Ralph Fiennes entrega a melhor atuação do filme. O seu Lorde Voldemort está simplestente excepcional, seja no modo como caminha, ou no seu jeito de falar. Ralph Fiennes coloca Voldemort na história como um dos maiores vilões da história do cinema.

Como já era de se esperar, o roteiro do filme deixa algumas coisas do livro de fora. Eu particularmente sei separar o livro do filme, e por isso não sinto muita falta do que ficou de fora. Mas mesmo assim, o roteiro é muito bom. A trilha sonora de Alexandre Desplat é magnífica neste final, o que deixa um cheiro de Oscar no ar… e por falar em Oscar, esse filme merece alguns, afinal, depois de 10 anos contibuindo tanto para o cinema, nada mais justo do que marcar a franquia com alguns Oscar’s.

Atenção Spoiler’s! Esta parte do texto é para quem viu o filme, ou leu o livro.

Como um dos fãs da saga Harry Potter, deixarei aqui o meu depoimento sobre como foi a primeira sessão que acompanhei deste último filme (no momento em que estava escrevendo, acabava de chegar da segunda sessão dele).

Pois bem… impossível não se emocionar. E confesso que a emoção já começou quando a logomarca da Warner Bros estava vindo em direção a tela… e eu pensando “é a última vez…” Depois, voltei ao normal e o filme já teve ação no começo quando Harry, Rony e Hermione invadem o Gringotes à procura de mais uma Horcrux… cena vai, cena vem… chega a hora que Harry e os colegas voltam a Hogwarts! E mais uma hora para se emocionar, na hora que Harry é visto pelos outros colegas toca o tema que John Williams criou para a Pedra Filosofal… impossível não lembrar daquele garotinho, que a 10 anos atrás descobria que era um bruxo. Minhas primeiras lágrimas chegaram quando a Professora Minerva e outros bruxos estavam lançando feitiços para proteger a escola, e com a bela trilha de Desplat… fiquei imaginando “não acredito… essa magia toda está acabando…

Enquanto Voldemort ia ficando mais vulnerável conforme as Horcruxes eram destruídas, não tinha como não vibrar de emoção com as declarações de amor: Rony beijando Hermione na câmara… para logo depois ele sair gritando pela Sala Precisa dizendo: “Ela é minha namorada!“; o beijo de Harry e Gina no meio de uma correria… Neville querendo encontrar Luna e dizer que a ama, porque talvez no amanhecer não esteja vivo. Uma das coisas que J. K. mais colocou em sua obra, foi isso, o amor… e como Voldemort despresava ele… e David Yates conseguiu fazer belas cenas como estas que citei, e o sujeito dentro da sala pensa: “isso Voldemort não tem…” perfeito!

Com certeza uma das cenas que ficará eternamente em minha memória é Voldemort e seus seguidores chegando em Hogwarts e Hagrid trazendo nos braços o corpo de Harry Potter… os rostos de Hermione e Rony ao ver Harry são carregados de emoção ao máximo… logo depois Neville faz um discurso muito emocionante, (lá vem as lágrimas de novo) seguido de Harry pulando dos braços de Hagrid e voltando a luta, para espanto de Voldemort.

Quando Molly matou Belatriz a platéia quase veio abaixo de tanta vibração e aplausos, afinal de contas, fã que é fã, não esquece que ela matou Sirius e torturou Hermione… falando em morte, também emociona o momento em que vemos os corpos de Fred, Lupin e Tonks, mortos na batalha.

Neville matando Nagini e acabando assim com a última Horcrux também fez a platéia aplaudir… e o momento final do confronto entre Harry e Voldemort foi espetacular… ver Voldemort perdendo as forças, e a varinha indo ao encontro de Harry, foi espetacular… e ver Voldemort sendo destruído faz o público respirar fundo e pensar… “agora acabou! Conseguimos, vencemos a batalha…

O fim do filme trás toda a magia de volta… ver Harry levando o seu filho, e atravessando a Plataforma 9 3/4… o garoto, que se chama Alvo Severo Potter, confessando a Harry que tem medo de ir para a Sonserina… nos remete a lembrar mais uma vez de A Pedra Filosofal… e aquela magia, do trem indo para Hogwarts… dos sapos de chocolate que aparecem lá no final… e o filme termina com um close, nos heróis: Harry, Hermione e Rony… impossível não haver lágrimas nesse momento… e a platéia fez uma salva de palmas pra lá de merecidas!

Fim dos Spoiler’s!

Então é isso, Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2 encerra de maneira magnífica esta saga, que com certeza é uma das maiores, e por que não a maior da história do Cinema… e me arrisco a dizer, que nunca mais veremos uma magia com essa magnetude no cinema…

Obrigado por tudo J. K. Rowling, e obrigado a Harry, Hermione e Rony, e a todos que participaram desta maravilhosa história…

Nota: 10,0

Harry Potter and the Deathly Hallows: Part II, 2011. Direção: David Yates. Com: Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint, Helena Bonham Carter, Ralph Fiennes, Gary Oldman, Alan Rickman, Tom Felton, Bonnie Wright, Jason Isaacs, Michael Gambom, Maggie Smith, Evanna Lynch, Ciarán Hinds, John Hurt, Robbie Coltrane, David Thewlis, Clemence Poesy, Matthew Lewis, Natalia Tena, Jim Broadbent, Julia Walters, Helen McCroy, James Phelps, Oliver Phelps, Geraldine Somerville, Mark Williams, Adrian Rawlins, Devon Murray. 130 Min. Aventura.

Evilmar S. de Almeida

Especial: 10 Cenas Marcantes da Saga Harry Potter

É difícil selecionar 10 cenas marcantes de toda a saga Harry Potter. Isso se deve a enorme qualidade das produções, e com isso os filmes tem muitas cenas importantes. Destaquei 10 cenas, que para mim são as melhores da saga.

1ª) Harry sendo possuído por Voldemort…
*Harry Potter e a Ordem da Fênix

É a minha cena preferida dos 7 primeiros filmes. Ver Voldemort tentando possuir Harry, e Hermione e Rony assistindo a tudo isso… juntando com os flashbacks de momentos que os três passaram juntos e percebendo que é com esses momentos alegres que Harry consegue vencer Voldemort é espetacular!

2ª) Hermione apagando a memória da Família…
*Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1

Uma cena sem nenhum diálogo e uma das mais emocionantes de toda a saga. Hermione apagando a memória de seus pais, e apagando ela das fotos. É realmente tocante, e fica impossível não se emocionar ainda mais com a trilha que toca ao fundo.

3ª) Voldemort e Harry no cemitério…
*Harry Potter e o Cálice de Fogo

O renascimento de Voldemort e a luta com Harry no cemitério é de tirar o fôlego. Voldemort dizendo que quer “ver a luz deixando os seus olhos“, e Harry saindo de trás do túmulo e vindo para a batalha, é perfeita.

4ª) Harry executa o feitiço Expecto Patronum…
*Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

O conjunto da cena, fazem ela ser marcante… o drama de Harry e Sirius, ambos sofrendo com os Dementadores, e devido a viagens no tempo o próprio Harry surge do outro lado do lago e executa com perfeição o Expecto Patronum, e coloca todos os Dementadores pra correr.

5ª) A morte de Dumbledore…
*Harry Potter e o Enigma do Príncipe

Não há como negar, que a morte de Dumbledore é uma cena que fica na memória de todos os fãs de Harry Potter, e após a sua morte a cena com todos os alunos e professores levantando as varinhas acesas, torna esta cena uma das mais bonitas de toda a saga.

6ª) Voldemort arromba o túmulo de Dumbledore…
*Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 

Voldemort acha a varinha das varinhas. A cena em que ele arromba o túmulo de Dumbledore, serve para completar o clima sombrio para a parte final da saga.

7ª) A batalha no Ministério da Magia…
*Harry Potter e a Ordem da Fênix

Os jovens bruxos enfrentando os Comensais da Morte… é a nova geração mandando ver na galera do mal. Cena muito bem orquestrada.

8ª) A Partida de xadrez…
*Harry Potter e a Pedra Filosofal

Como o próprio Dumbledore diz: “Foi a melhor partida de xadrez que Hogwarts já viu…” Não preciso dizer mais nada.

9ª) Harry derrota o Basilisco na câmara secreta…
*Harry Potter e a Câmara Secreta

Harry mostra toda a sua coragem ao derrotar o Basilisco que vivia na Câmara Secreta. E logo depois ele acaba com o diário de Tom Riddle. Ótima cena.

10ª) Dementadores embarcam no trem…
*Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban


O tom de mistério e terror na cena em que os Dementadores invadem o trem a caminho de Hogwarts, mostra que a partir daí a saga começa a ganhar uma cara mais dramática e percebemos que o tom da saga fica mais sério a caminho de tudo o que cerca o personagem de Harry Potter.

Pronto! Se você gostou muito de alguma outra cena da saga e ela não está aqui, deixe um comentário falando sobre ela.

*O filme “Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2” tem muitas cenas que entrariam nesta lista. As cenas não foram colocadas para não termos spoiler.

Chegou à hora de escolhermos entre o que é certo e o que é fácil.
Dumbledore, em Harry Potter e a Ordem da Fênix.

Evilmar S. de Almeida