Cinema: Com Amor, Simon

Com Amor, Simon é um filme mainstream adolescente de estilo convencional que usa todos os clichês do livro no qual ele foi adaptado. Há o vice-diretor nerd, a festa bacana da escola secundária, os pais solidários mas um pouco sem noção, as vozes espirituosas do protagonista, as declarações públicas de amor em frente a toda a escola, todas mantidas juntas por um fluxo de músicas pop cativantes. Mas o uso desses clichês em Com Amor, Simon, representa um ineditismo, porque é a história de uma difícil e muitas vezes divertida marcha de jovens gays para “sair do armário”.

O diretor Greg Berlanti, que dirigiu uma série de programas de sucesso como produtor e roteirista, usa o familiar romance adolescente para contar uma história LGBTQ e, ao fazê-lo, faz com que esses clichês se sintam novos, divertidos e inteligentes. Baseado no romance “Simon Vs. A Agenda Homo Sapiens”, Com Amor, Simon é um ato radicalmente inclusivo.

Como Simon (Nick Robinson) nos diz em sua voz de abertura, ele vive uma vida normal “assim como você”. Ele mora em uma bela casa, tem dois pais de apoio (Jennifer Garner e Josh Duhamel) e uma jovem irmã obcecada com “Top Chef” (Talitha Eliana Bateman). Ele é um bom aluno e participa do Drama Club. Seus melhores amigos são Leah (Katherine Langford ), Nick (Jorge Lendeborg Jr) e Abby ( Alexandra Shipp). Nada está errado, exceto, como Simon diz na narração: “Eu tenho um grande segredo”. Seu segredo é que ele é gay. Ele tem certeza que seus pais ficariam bem com isso e seus amigos também estariam bem. Ele tem medo, de como isso vai mudar tudo, como as pessoas podem percebê-lo de forma diferente. Ele também se ressente de ter que “sair do armário” (o que leva a uma sequência muito engraçada imaginando crianças heterossexuais “saindo do armário”). Por que sou “fora do padrão”, ele pergunta.

Quando alguém com o pseudônimo “Blue” escreve um post em um quadro de mensagens local popular sobre ter medo de ser gay, Simon vai até ele em particular, usando o pseudônimo “Jacques”. Os dois começam uma correspondência, hesitantes no início e depois aumentando de intensidade. A identidade de “Blue” é o grande gancho de Com Amor, Simon, e Berlanti tem muita diversão nos mantendo em suspense. Há muitos candidatos em potencial, e Simon vai de um para o outro, perguntando: “Você é Blue?” Pode ser qualquer um deles. Um dos aspectos mais bonitos de Com Amor, Simon é que a intimidade que floresce entre os dois personagens é baseada no quanto eles se preocupam um com o outro, o quanto eles apoiam a jornada um do outro.

As coisas ficam estranhas quando Martin (Logan Miller), membro do Drama Club, entra em cena. Ele descobre sobre a correspondência secreta de Simon e chantageia Simon para ajudá-lo a conseguir um encontro com Abby, que não quer nada com ele. Simon se torna um marionetista oculto e relutante da paisagem extremamente mutável de vários romances do ensino médio envolvendo Leah, Nick e Abby, pessoas que deveriam ser seus melhores amigos. Suas manipulações levam a uma enorme confusão, sentimentos feridos, caos emocional, com Simon racionalizando tudo para si mesmo, fazendo o que ele tem que fazer para proteger a identidade de Blue. Se Martin revela a correspondência para a escola, como ele ameaça fazer, então Blue será afugentado para sempre. As apostas não poderiam ser maiores.

Berlanti, que também dirigiu Dawson’s Creek e Riverdale, conhece muito bem esse território adolescente. Ele entende as neuroses adolescentes, e se preocupa com a experiência adolescente, suas intensidades, suas profundezas, quão importante é o romance para os adolescentes envolvidos nisso. Há uma cena em que Lea compartilha com Simon como ela sempre se sente como se estivesse do lado de fora olhando para dentro. Ela diz, em uma das muitas linhas maravilhosas do filme, “Eu sou o tipo de pessoa destinada a se importar tanto com uma pessoa”. Isso quase me mata. ” É assim que adolescentes inteligentes e sensíveis falam. As Roteiristas Elizabeth Berger e Isaac Aptaker (cujos créditos compartilhados incluem This Is Us e About a Boy) tem um ótimo ouvido para os ritmos ondulantes da comédia. Com Amor, Simon é cheio de humor – em seus personagens, diálogos e situações – mas não sacrifica a profundidade emocional. Os dois trabalham em conjunto.

Historicamente, as histórias de “sair do armário” nos filmes envolveram seus próprios tipos de clichês: tormento, tragédia, raiva dos pais/sociedade, medo às vezes até da morte. Tais filmes sublinham os perigos de viver em um mundo homofóbico, de estar “fora do armário” em uma atmosfera não apenas hostil, mas mortal. Essas histórias também são importantes e foram avanços na representação. Mas em filmes mainstream, que são exibidos nos multiplex, os personagens gays ainda são, com mais frequência, parceiros para os protagonistas héteros. Filmes recentes como Me Chame Pelo Seu Nome e O Azul é a Cor Mais Quente mostram personagens que não são punidos por sua sexualidade pelo mundo, seus pais, seus colegas. Esses filmes são enormes passos à frente, mas Com Amor, Simon cumpre outro papel – ser um filme mainstream para adolescentes.

Eu não vi o filme em uma sessão de imprensa cercada por críticos. Fui a um cinema de bairro e a empolgação quando as luzes se apagaram era palpável. Não notei nenhuma verificação sub-reptícia de celulares durante o filme, apenas uma energia de engajamento completo. As pessoas falavam de volta para a tela ou ofegavam em compaixão ou uivavam de tanto rir. Quando a paixão anônima de Simon finalmente revelou sua identidade, o público explodiu em gritos e aplausos. Havia uma sensação de liberação catártica na sala de cinema, única na minha experiência.

Em uma cena comovente, a mãe de Simon diz para ele: “Você pode expirar agora, Simon”. Foi o que eu senti na exibição de Com Amor, Simon, e é isso que o filme é: uma expiração há muito esperada.

Love Simon, 2018. Direção: Greg Berlanti. Com: Nick Robinso, Jennifer Garner, Josh Duhamel, Katherine Langford, Alexandra Shipp, Logan Miller, Keiynan Lonsdale, Jorge Lendeborg Jr. 110 Min. Drama.

Anúncios

Cinema: A Misteriosa Morte de Pérola

A Misteriosa Morte de Pérola

O Cinema Nacional vem evoluindo cada vez mais (não me refiro às comédias lançadas pela Globo Filmes). O Nordeste se destaca como um pólo de qualidade impressionante neste novo cenário. Filmes do Ceará e principalmente de Pernambuco, se destacam em festivais mundo a fora. Mas parece que o Cinema Nacional quer mais, e o suspense e terror pode ser essa nova vertente. Ano passado o filme Quando Eu Era Vivo teve um êxito de qualidade muito boa, trazendo um terror nos moldes dos grandes clássicos antigos, estrelado por Antonio Fagundes e que ainda trazia a cantora Sandy no elenco. A Misteriosa Morte de Pérola é mais um longa de terror brasileiro com muita qualidade.

Dirigido por Guto Parente e Ticiana Augusto (que também estrelam o longa), o filme conta a história de Pérola, que vive sozinha longe de casa e do namorado, em um apartamento bem antigo e muito, muito sombrio. Pérola vai sendo tomada pelo medo, enquanto a solidão toma conta da sua vida.

Praticamente mudo, o filme só tem falas nas poucas cenas em que Pérola está em ligações. O destaque do filme vai para a trilha sonora e o uso dos efeitos sonoros no longa. Guto Parente, que além de ser um dos diretores e de escrever o roteiro, também foi o montador do filme, ele se utilizou muito bem dos elementos sonoros. Sua trilha sonora é perturbadora e consegue dar um pavor no espectador de maneira como grandes clássicos, entre eles O Iluminado e O Exorcista.

Com um filme de baixo orçamento como esse, a dupla de diretores utilizou bastante a inteligência para construir um longa com um clima sombrio e apavorante. Cenas de passos na escadas, um ranger de porta ou um toque de campainha causam arrepios, devido o filme conseguir nos transportar facilmente para dentro da história. Graças ao talento da dupla de diretores, esse pequeno filme conseguiu o que filmes de terror de Hollywood com grandes orçamentos não conseguiram, transmitir medo para quem o está assistindo.

O filme mergulha de cabeça na solidão da personagem Pérola, que estuda na França. O fato da sua personagem ser sozinha sem se relacionar nem com outros moradores do prédio, faz com que ela fique lembrando de coisas vividas com a família e namorado, lembranças essas mostradas para nós atráves de filmagens em VHS, o que é um ponto interessante na narrativa dos diretores. A fotografia que usa muitas cores mortas, também é destaque. É interessante que até o apartamento de Pérola é praticamente vazio (de objetos), assim como sua vida.

São detalhes como esse que faz de A Misteriosa Morte de Pérola um filme que fala de solidão, depressão, medo e pavor de maneira simples, mas muito eficaz. Um filme que merece ser descoberto.

Nota 8

A Misteriosa Morte de Pérola, 2014. Direção: Guto Parente e Ticiana Augusto. Com: Ticiana Augusto e Guto Parente. 62 Min. Terror.

*Filme visto na 14ª Edição do Festival NOIA – Festival Brasileiro de Cinema Universitário

ass_evilmar

ass_nayara

Estreias da Semana: 13/11/2014

Debi & Lóide 2

Mais nova aventura dos inseparáveis Lloyd Christmas (Jim Carrey) e Harry Dunne (Jeff Daniels). Desta vez, Harry descobre que teve uma filha ilegítima, que hoje precisa dele para um transplante de rim. Ele leva o amigo Lloyd para conhecer a garota, e os dois percebem que não têm a responsabilidade necessária para serem pais.

Dumb and Dumber To, 2014. Direção: Bobby Farrelly e Peter Farrelly. Com: Jim Carrey, Jeff Daniels, Angela Kerecz e Kathleen Turner. 110 minutos. Comédia.

Irmã Dulce

Irmã Dulce conta a emocionante história da mulher que, indicada ao Nobel, chamada em vida de “Anjo Bom da Bahia” e beatificada pela Igreja, nunca se importou com títulos. A história de uma mulher cujo único objetivo era confortar os necessitados, cuidar dos doentes, amparar os miseráveis – a qualquer custo, com a ajuda de quem fosse.

Irmã Dulce, 2014. Direção: Vicente Amorim. Com: Bianca Comparato, Regina Braga, Gracindo Junior, Malu Valle. 94 minutos. Drama.

Sistemas de Notas

Hoje à noite, a crítica de Noé vai ao ar. E essa nova crítica trás uma modificação ao sistema de notas.

Antes o sistema de notas era 1 Claquete para cada ponto. Ou seja 10 Claquetes para um filme nota 10. Exemplo:

Nota 10

A partir de hoje, cada Claquete valerá 2 pontos. Ou seja, um filme nota 10, ganhará 5 Claquetes. Exemplo:

Nota 5

 

Atenciosamente,
Evilmar Almeida,
Editor-Chefe